Archiv der Kategorie: news

Jetzt als DVD und Video on Demand erhältlich

DVD: DIE ZEIT VERGEHT WIE EIN BRÜLLENDER LÖWE

Mit englischen, spanischen, portugiesischen Untertiteln – Inkl. ausführlichem Booklet und Bonus-Material: Kurzfilm „Von der Notwendigkeit, die Meere zu befahren“ (Philipp Hartmann; D/BOL/ARG 2011; Super8; sw; 22 Minuten). Preis: 20 € inkl. Versand

Bestellung per e-mail an: mail@flumenfilm.de

Video on Demand: DIE ZEIT VERGEHT WIE EIN BRÜLLENDER LÖWE / TIME GOES BY LIKE A ROARING LION

with english subtitles. Optional: Legendas em português / subtítulos en español / sous-titres en français:

Available for streaming and download mp4 and DVD here: www.dafilms.com

NEW: Korean subtitles. Order here

 

coveraussen-fuer-dvd-menue



Bundesweite KINOTOUR 2014/15

DIE ZEIT VEGEHT WIE EIN BRÜLLENDER LÖWE geht auf Kinotour durch über 70 Orte in ganz Deutschland! Von Karlsruhe bis Hamburg, vom Chiemsee bis Helgoland, vom Schwarzwald bis Dresden ist Philipp Hartmann in den nächsten Monaten unterwegs und steht nach dem Film für Publikumsgespräche zur Verfügung. Premiere ist am 8. Oktober 2014 in Karlsruhe. Alle Termine finden sich hier.

 

Lobende Erwähnung / special mention – in Olhar de Cinema Festival, Curitiba BRASIL

Special Mention for TIME GOES BY LIKE A ROARING LION in the Olhar de Cinema Festival in Curitiba, Brazil:

Philipp Hartmann. Hartmann’s aesthetically rigorous and emotionally honest essay film explores the filmmaker’s life in relation to the passage of time (including the film’s own duration) and, in so doing, shows something rare to cinema. We witness the language of thought and of human emotions, so well expressed in this work, as they move between various spaces: Public and private, collective and personal, common and nontransferable.

„O ensaio autobiográfico de Philipp Hartmann, esteticamente rigoroso e emocionalmente honesto, explora a vida do cineasta na relação com a passagem do tempo (incluindo aí o tempo de duração do próprio filme) e mostra algo raro no cinema: como a linguagem do pensamento e dos afetos humanos, que a forma ensaio da obra tão bem expressa, se move entre os espaços público e privado, coletivo e pessoal, comum e intransferível.“

(Jury: Ilana Feldman, Charlene Dinhut, Aaron Cutler)

template_premiados1-1024x682

 

 

Resenha da CINÉTICA por Fábio Andrade

O Tempo Passa como um Leão que Ruge (Die Zeit vergeht wie ein brüllender Löwe), de Philipp Hartmann (Alemanha, 2013)

junho 2, 2014 em Coberturas dos festivais, Em Campo, Fábio Andrade

leaoqueruge1

As muitas faces de um rosto
por Fábio Andrade

O Tempo Passa como um Leão que Ruge é um filme de monumental ambição. Essa ambição se manifesta logo na escolha do assunto: um documentário sobre o tempo – o mesmo tempo que povoa bibliotecas inteiras de filosofia e que é tema e agente onipresente na história do cinema, em grandes filmes tão distintos quanto Hiroshima Mon Amour (1959), de Alain Resnais, Millennium Mambo (2001), de Hou Hsiao-hsien e O Feitiço do Tempo (1993), de Harold Ramis.

Se, a princípio, a monumentalidade do assunto é inevitavelmente intimidadora, a abordagem de Philipp Hartmann busca refúgio em uma série de critérios objetivos, matemáticos até: o diretor decide realizar o filme quando percebe estar se aproximando da metade de sua expectativa de vida, e cria para si a restrição de que a duração do filme tenha um minuto para cada ano dessa mesma expectativa (76,5). Diante da própria natureza do objeto investigado, esssa abordagem estritamente estruturalista do tempo como tema e dispositivo cinematográfico parece quase natural. Porém, após um breve prólogo que preenche a tela do cinema com fotografias parcialmente veladas da infância do diretor (e que, junto à narração em voz over, anuncia que a apreensão do tempo passará, necessariamente, pela subjetividade auto-evidente da primeira pessoa do singular), tiradas por seu falecido pai, essa aparente objetividade é exposta em seus limites. Por um protocolo bastante rígido visualmente, que traz à lembrança os curtas recentes de Rafael Urban (Ovos de Dinossauro na Sala de Estar e A que Deve a Honra da Ilustre Visita Este Simples Marquês, em parceria com Terence Keller), Hartmann entrevista um profissional que trabalha em uma espécie de indústria do tempo, um laboratório de relógios atômicos que exporta a marcação do tempo para vários países do mundo, e ali descobre que o tempo é, de fato, irregular. A cada 18 meses, a rotação terrestre se atrasa um segundo em relação ao tempo científico dos relógios atômicos, e os cientistas adicionam um segundo falso para compensar esta diferença.

Essa descoberta é um pequeno achado conceitual que Philipp Hartmann usa como agente contaminador da estrutura de seu filme. Afinal, se o tempo é cientificamente irregular, qualquer abordagem baseada em um rigor absolutamente científico está (cientificamente) fadada ao fracasso. O Tempo Passa como um Leão que Ruge rapidamente abandona este falso princípio objetivo, e passa a se dedicar às inúmeras possibilidades artísticas de expressar uma apreensão do tempo que é naturalmente múltipla, e que se permite dançar ao redor das grades do tempo sem nunca deixar de tê-las como referencial – como músicos adicionam fluidez a uma performance se permitindo escapar momentaneamente da tirania de um metrônomo.

O caminho para isso, porém, não será menos rigoroso. O que temos aqui é uma espécie de processo heideggeriano da aplicação de um mesmo conceito em suas mais variadas acepções e encarnações. Philipp Hartmann parte de uma vivência fisicamente experimentada (a percepção de que está chegando à metade de sua expectativa de vida, e todas as crises e impulsos que essa certeza de morte é capaz de produzir), retira dela um conceito filosófico de unidade absolutamente singular (o tempo), e em seguida devolve-o à vida, aplicando-o a experiências também físicas da ação desse mesmo conceito, e de como ele transforma a experiência vivida. A partir de um desenho aparentemente rígido, O Tempo Passa como um Leão que Ruge cria uma coleção de aplicações artísticas de um mesmo conceito que impressiona pela combinação de um rigor ontológico com uma extrema variedade e liberdade associativas – por vezes se aproximando de outro filme também em exibição neste Olhar de Cinema, e igualmente contaminado pela inevitabilidade do tempo: E Agora? Lembra-me, de Joaquim Pinto. Essa é uma escolha de extrema felicidade, pois, se o tempo é naturalmente múltiplo e irregular, ele só poderá ser evocado por uma obra de arte se ela preservar essa mesma multiplicidade.

Em uma coleção que prima pela irregularidade, importa menos que algumas partes sejam mais fortes que outras, e mais que todas elas convivam em um mesmo filme, e acrescentem a um entendimento que desvia de qualquer tentação de pureza. O tempo, afinal, não é somente um conceito, mas também uma sensação física, um agente emocional, um processo orgânico, uma invenção da cultura, e o filme sabe que a aproximação da essência deste conceito só é possível se todos esses diferentes caminhos forem trilhados. Entre especulações filosóficas, jogos ilusionistas à Méliès, memórias pessoais, dobras metalingüísticas, investigações ontológicas acerca da natureza da imagem e breves esquetes de ficção, Philipp Hartmann acumula diferentes apreensões parciais da ação do tempo que, embora muito fortemente conduzidas pela narração em voz over e pelas obstruções criativas que o diretor impõe a si mesmo, driblam os atalhos sem saída da causa-e-efeito almejada por um raciocínio estritamente lógico.

A partir deste acúmulo, o que começa como um conceito frio, científico, objetivo, termina por revelar uma imagem (na compreensão goetheana do termo que tenta dar conta da sensação de se visualizar o todo de uma idéia) extraordinariamente complexa de sua própria investigação conceitual, mas que em momento algum se furta das possibilidades criativas da leveza, das possibilidades de conexão das convenções dramatúrgicas, da pessoalidade que distorce e prisma uma experiência de mundo. Justamente por isso, o filme oscila entre momentos de extrema beleza e síntese – os relógios desenhados pelos pacientes de Alzheimer; o depoimento da avó do diretor, próximo ao final do filme; o uso das fotografias dos pais – e especulações que nem sempre chegam onde almejam, mas que fazem, igualmente, parte dessa imagem mais ampla que não é somente bela ou feia, dura ou mole, quente ou fria, mas que encontra expressividade justamente na concomitância de todos esses entendimentos e sensações ao longo de sua dúbia e débil duração. A beleza de O Tempo Passa como um Leão que Ruge é fruto disforme de uma postura artística ao mesmo tempo resignada e ativa, movida pela certeza de que as dúvidas do caminho não são mais nem menos importantes que a inevitabilidade do destino final.

(Fábio Andrade, revista CINÉTICA: http://revistacinetica.com.br/home/o-tempo-passa-como-um-leao-que-ruge-die-zeit-vergeht-wie-ein-brullender-lowe-de-philipp-hartmann-alemanha-2013/ )

 

US-Premiere at the Lincoln Center, New York

US-Premiere of TIME GOES BY LIKE A ROARING LION – April 18th and 19th in the Lincoln Center, New York City – within the series THE ART OF THE REAL

Friday, april 18th, 9pm and Sat. april 19th at 2 pm in the Francesca Beale Theater

atomuhr klein

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

More information and tickets here:

http://www.filmlinc.com/films/on-sale/time-goes-by-like-a-roaring-lion